Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Espelho Meu

Espelho Meu

Pressão no percurso escolar

Young-girl-unhappy-about-homework.jpg

 

Ao longo dos anos, enquanto estudante, tenho vindo a refletir acerca da pressão dos alunos para que tenham sucesso nos estudos. Na minha opinião, este é um assunto bastante pertinente e que me desperta total interesse uma vez que falo como testemunho próprio.

 

É certo que temos de estudar, ser bons alunos, ter boas notas e querer ser "alguém" na vida futura, mas tudo isso de acordo com as capacidades de cada um de nós. O que acontece, por vezes, é que essa pressão familiar ou por parte do próprio sistema educativo, sobre os alunos se torna rapidamente num estado depressivo que pode sair completamente do controlo, pois por maior que seja o esforço destes, há situações que não dependem só do seu empenho e dedicação. Porém, isto agrava-se quando a pressão de que falo é acentuada pelos próprios alunos que exigem mais de si próprios e que rejeitam não chegar aos seus objetivos pretendidos. Para estes, é como se o único caminho fosse ter excelentes notas para entrar em Medicina ou Engenharia, e quem diz estes cursos diz quaisquer outros que requeiram maiores classificações. O que acontece é que quando o estudante não consegue atingir este objetivo, sente-se fragilizado, derrotado, inferior e consequentemente pode entrar num estado depressivo por querer exigir mais do que aquilo que realmente consegue fazer e por não aceitar que não consegue atingir a meta esperada.

Estes casos de stress escolar, podem manifestar-se em sintomas tanto físicos como psicológicos e, por vezes, trazem graves consequências quando não são detetados e controlados a tempo. Estas perturbações revelam-se de maneiras muito diversificadas, mas as mais notáveis são os transtornos alimentares, perturbações do sono e ataques de pânico. No meu caso, em particular, recusava-me a aceitar que não conseguiria entrar no curso pretendido devido às dificuldades que tinha a uma das disciplinas, apesar de todo o meu esforço para as superar. Comecei por perder o apetite, passava noites em branco e sempre com uma grande ansiedade dentro de mim. Os dias de testes eram super angustiantes... fazia metade dos exercícios pretendidos e sempre com uma tamanha vontade de chegar a casa e desfazer-me em lágrimas. Cheguei a acordar com enormes dores no peito ao ponto de me levarem ao hospital, claro que era tudo derivado da ansiedade! A certa altura questionei-me "será que tudo isto vale a pena?", deixei de me sentir vencida por tudo isto e quis mudar de rumo! Aceitei que não tinha capacidades para chegar onde queria, pedi ajuda e comecei a procurar novos cursos nas diversas áreas possíveis, até que acabei por encontrar aquilo que mais me fascinava e aquilo que me via a fazer ao longo de toda a minha vida futura. 

É realmente importante detetar todos estes sinais que, por mais insignificantes que pareçam, transmitem o estado depressivo dos jovens estudantes. É necessário que estes procurem ajuda e aceitem que há sempre uma solução para estes problemas. A pressão e a competitividade pode ter o seu efeito positivo ao fazer com que os alunos se esforcem mais, porém quando é em exagero tem efeitos significativamente negativos.

Espero que tenham gostado do meu post e fico à espera das vossas opiniões sobre o assunto! 
Até breve ❤️

 

2 comentários

Comentar post